O Carro

Bruno Senna e sua Mahindra em Buenos Aires
Bruno Senna e sua Mahindra em Buenos Aires

O chamado Spark-Renault SRT_01E é o primeiro carro a ser homologado pela FIA para a primeira temporada de Fórmula E (2014/2015). Utilizando as mais avançadas tecnologias, o SRT_01E foi desenvolvido como um carro totalmente elétrico e sem emissões de carbono, mas ao mesmo tempo balanceando custo-benefício e sustentabilidade. O carro foi construído pela recém-formada Francesa, a Spark Racing Technology, liderada pelo renomado Frédéric Vasseur juntamente com um consórcio de empresas líderes em automobilismo.

A Italiana Dallara, experiente em automobilismo, foi a responsável pela construção do chassis. A aerodinâmica do carro foi toda projetada com intuito de facilitar ultrapassagens. O chassis é feito de fibra de carbono, sendo, portanto, muito leve e resistente.

O motor elétrico e todo o sistema eletrônico é fornecido pela McLaren Electronics Systems, líder mundial em tecnologia de alta performance em automobilismo.

Além disso, a Williams Advanced Engineering (parte do grupo Williams, que inclui a famosa equipe de Formula 1 Williams) é o grupo que fornece as baterias. Baterias estas que são capazes de produzir 200Kw de potência (cerca de 270 cavalos). A empresa inglesa Hewland é responsável pelo fornecimento de um câmbio de 5 marchas sequencial. A potência e energia do carro são transferidas para as rodas justamente por meio desse câmbio. A Renault (principal parceira técnica da Fórmula E) supervisiona todos os sistemas.

Outro aspecto interessante do carro é o quesito pneus. Os pneus são fornecidos pela Michelin, outra importante parceira técnica da categoria. Os pneus foram criados e desenvolvidos especialmente para a FIA Formula E. Tais pneus são radiais e utilizam rodas aro 18”, sendo capazes de operar tanto no seco quanto no molhado.

É importante conhecermos um pouco mais sobre a potência existente num carro de Fórmula E :

  • Potencia Máxima (limitada): 200Kw, equivalente a 270 cavalos.
  • Modo Corrida (potência moderada): 133Kw, equivalente a 180 cavalos.
  • Push-to-Pass: 67Kw, equivalente a 90 cavalos.

A potencia máxima é disponível durante todo o tempo dos treinos livres e classificação. Já o Modo Corrida é disponível durante as corridas, com potência máxima disponível por períodos limitados de tempo. A quantidade máxima de potência que pode ser entregue ao motor elétrico (MGU, em Inglês) pelo Sistema Recarregável de Armazenamento de Energia (RESS, em Inglês) é limitado a 30Kw por hora.

Em relação à performance, estima-se que esse carro acelera de 0 – 100 km/h (0-62mph) em cerca de 3s. Outro aspecto relevante é que a velocidade máxima é de 225 Km/h (Limitada pela FIA).

Outros aspectos bem legais nos bólidos elétricos estão associados justamente às baterias e sistemas de energia. A Bateria para Propulsão, por exemplo, é um Sistema Recarregável de Armazenamento de Energia (RESS, em Inglês) que é capaz de entregar energia elétrica ao Circuito de Energia que, por sua vez, entrega eletricidade ao Motor Elétrico. Toda bateria à bordo que estiver conectada ao Circuito de Energia é considerada integrante da Bateria para Propulsão do carro.

O RESS é um sistema que deve estar dentro do regulamento estabelecido pela FIA. Duas características são fundamentais para a legalidade do sistema: 1) o peso máximo das células da bateria e/ou capacitor do RESS não pode ultrapassar 200kg e 2) todas as células da bateria têm que ser certificadas pelo Padrão de Transporte da ONU.