Bruno Senna

Bruno Senna - O rei dos fanboosts!
Bruno Senna – O rei dos fanboosts!

Às vésperas da etapa de Mônaco da Fórmula E, o EPRIX NEWS traz um papo exclusivo com Bruno Senna sobre sua carreira e a emoção de disputar uma corrida em que seu tio Ayrton foi dominante na Fórmula 1.

EPRIX NEWS: Bruno, além da Fórmula E, você pode dizer pra gente em que outras categorias você tem corrido?

BRUNO SENNA: Estou disputando a Blancpain Endurance Series pela Van Ryan Racing, equipe oficial da McLaren, e corri a primeira etapa da Stock Car como convidado do Antonio Pizzonia na Equipe Prati-Donaduzzi.

EN: Por que você escolheu a Fórmula E como uma opção de carreira?

BS: A Formula E tem tudo para ser o início de uma revolução no automobilismo. O desenvolvimento de tecnologias sustentáveis faz parte de muitas áreas hoje em dia e a Formula E é a pioneira nessa área dentro do automobilismo. Então, eu fico contente de fazer parte desse capítulo da história das corridas.

EN: Enquanto parece haver um esfriamento pelo interesse na F1, a Fórmula E tem despertado a curiosidade dos fãs pelo mundo. Como você explica o sucesso incrível que a Fórmula E já está fazendo nas mídias sociais?

BS: O automobilismo em geral tem perdido muito interesse das gerações mais jovens, porque carros ainda são objetos de desejo, mas não são tão exclusivos e raros como antigamente. Hoje em dia, a juventude está mais ligada em tecnologia de ponta e nas interações sociais. E, de fato, a Formula E se encaixa muito bem nesse modelo da juventude atual.

EN: Você cogita priorizar a Fórmula E em sua carreira ou isso ainda é algo muito difícil para qualquer piloto fazer uma vez que a categoria ainda está em seu início?

BS: Ainda é difícil fazer previsões sólidas de onde a Formula E vai estar em 5 ou 10 anos, mas vivemos numa época de grandes passos no desenvolvimento de tecnologias. E, mais importante: o desenvolvimento das tecnologias de bateria é cada vez mais relevante para todos, o que justifica uma das missões da Formula E para o futuro.

EN: A Fia Fórmula E anunciou a entrada de novas montadoras para próxima temporada da Fórmula E. Além disso, as equipes poderão desenvolver seus próprios carros. Que tipo de melhoria vocês esperam alcançar com esse novo cenário?

BS: Para a segunda temporada, os desenvolvimentos são mais limitados, já que a bateria continua igual para todos. Mas os motores elétricos e caixa de cambio são livres, o que possibilita grande variedade de configurações e eficiência. Imagino que para a terceira temporada, quando as baterias serão de desenvolvimento próprio, as coisas vão começar a esquentar, já que a bateria é que limita a potência e o peso dos carros. Uma bateria mais eficiente pode dar uma vantagem muito grande para quem a tem.

EN: Você, de fato, pode ser considerado o rei dos fanboosts? Como é essa incrível interação que a Fórmula E propicia entre os pilotos e os fãs no dia da prova?

BS: Por enquanto eu tenho recebido muitos Fanboosts, que são sempre muito bem-vindos, mas o Nelsinho e o Jean-Eric Vergne também estão muito fortes nessa competição. O Fanboost causa muita controvérsia dentre os fãs do automobilismo, mas com certeza possibilita jogos de estratégia diferentes nas corridas, o que torna a Formula E bem interessante, além de trazer os fãs mais para perto dos resultados da corrida com seus pilotos favoritos.

EN: Em 9 de maio, teremos o ePRIX de Mônaco. Descreva a sensação de correr no circuito em que seu tio dominou na F1.

BS: Adoro o circuito de Mônaco. Já competi lá na Formula 1 e venci na GP2. Então, é uma pista com a qual tenho bastante afinidade. Espero poder colocar o nome Senna no degrau mais alto do pódio mais uma vez!

EN: O que você acha de um ePRIX no Brasil? Qual cidade teria mais condições de abrigar um evento dessa magnitude em nosso país?

BS: Gostaria muito de ter a oportunidade de correr no Brasil com a Fórmula E. Existia um plano de correr no Rio de Janeiro durante essa primeira temporada, mas acabou sendo cancelado, infelizmente. Com três brasileiros andando bem no campeonato, imagino que logo tenhamos suporte grande para que uma corrida dessas aconteça no Brasil. Difícil dizer onde e o melhor lugar, já que depende do impacto na cidade, mas certamente Rio e São Paulo têm plenas condições de organizar um grande evento!

EN: Como é reviver, na Fórmula E, um duelo brasileiro famoso da F1: Senna versus Piquet? Já pensou quando ocorrer a primeira dobradinha?

BS: Fico muito contente de correr pela primeira vez com o Nelsinho e também com o Nicolas Prost. Toda vez que temos uma batalha entre nós, rola uma adrenalina extra! Mas, nós somos amigos e o respeito continua grande dentro e fora das pistas. Espero que haja uma dobradinha logo!

EN: Bruno Senna, muito obrigado pela entrevista! Você poderia deixar uma mensagem para os fãs brasileiros da Fórmula E?

BS: Galera, valeu pela torcida! Vamos lutar juntos por uma corrida no Brasil e quero ver todo mundo participando das votações do Fanboost! Abraços!

Deixe uma resposta