Temporada 2017-2018

 


hong-konghongkongcircuit

Etapa 01 | 02 / 12 / 2017 | Hong Kong (China)

HONG KONG CENTRAL HARBOURFRONT CIRCUIT | Extensão: 1860 m

Análise da Corrida:  

Na largada, Vergne defendeu sua posição de pole, pois foi imediatamente atacado por Heidfeld. Mas, Bird se aproveitou e assumiu a segunda posição, com o alemão tendo perdido espaço e caído  para o quarto. Outro que largou magistralmente foi Oliver Turvey que pulou de sétimo para terceiro. No entanto, houve logo uma bandeira vermelha logo no começo, no primeiro cotovelo após a reta de largada. O estreante Andre Lotterer errou e foi direto no muro, o que causou um engavetamento de alguns carros: Mitch Evans, Nico Prost, Edoardo Mortara e Neel Jani.

Os carros foram chamados de volta ao pit lane durante o período da bandeira vermelha. Àquela altura, os três primeiros colocados eram: Vergne, Sam Bird e Oliver Turvey.

A corrida voltou sob condições de Safety Car. Após a relargada, Vergne foi duramente atacado por Sam Bird.

A situação foi de mal a pior para Felix Rosenqvist que perdeu uma série de posições no começo e, depois da relargada, rodou numa disputa com Luca Filippi. O sueco da Mahindra até o 15º.

Jerome d’Ambrosio então sofreu o primeiro problema da corrida quando ele parou sozinho na pista, mas uma reinicialização do carro permitiu que o belga voltasse à ação, embora uma volta atrás aos líderes.

Heidfeld tentou de todas as formas ultrapassar Turvey. Mas, num erro de Heidfeld, seu compatriota alemão Daniel Abt se aproveitou da oportunidade o ultrapassou e passou a perseguir Turvey.

O campeão Lucas di Grassi teve uma avaria no seu carro e foi forçado a entrar nos boxes para antecipar a troca de carro na 16ª volta. Isso acabou com sua corrida, pois ele teve de ralentar o ritmo para economizar bateria. O brasileiro acabou ficando uma volta atrás dos líderes. Outro que sofreu com problemas foi Turvey que teve de rastejar de volta para o pit lane e trocar para o segundo carro.

Enquanto isso, Bird começou a procurar uma maneira de ultrapassar Vergne. E, o britânico finalmente conseguiu seu intento num belo movimento na volta 20. Após isso, Vergne foi para o pit lane para sua mudança de carro obrigatória, enquanto Bird pisou fundo e deu uma volta extra. Rosenqvist e Lotterer também acabaram entrando antes de Bird. Aliás, a grande maioria dos pilotos trocou de carro entre a volta 22 e 23. Mas, Bird cometeu um enorme erro nos boxes quando ele acabou entrando de modo errado nos pits e quase atropelando pessoas. Por isso, Bird perdeu alguns segundos.

Houve então um drama para Sebastien Buemi: assim como aconteceu com Jerome d’Ambrosio, anteriormente, o carro do suíço parou no meio da pista após a troca de carros. O campeão da segunda temporada precisou apenas de um simples reset para o carro voltar a andar. Contudo, Buemi caiu para o 13º lugar.

Em meio ao caos da fase de pit stop, os grandes vencedores foram Maro Engel, Nelsinho Piquet e Rosenqvist, pois todos subiram para o quarto, quinto e sexto colocados, respectivamente. Por outro lado, Daniel Abt foi um grande perdedor. Afinal, ele caiu do quarto lugar para o oitavo. No entanto, Abt partiu disposto a se recuperar.

Com Bird disparado na liderança, Vergne caiu de novo nas garras de Heidfeld. Bird foi então punido com um drive trough por ter causado a colisão nos boxes. Porém, o britânico andou tão rápido que mas acumulou distância suficiente para voltar na frente por apenas alguns metros de vantagem sobre Vergne e Heidfeld.

Apesar de todos os esforços feitos por Heidfeld para ultrapassar Vergne, o franês garantiu o segundo lugar. Já o vencedor da corrida, Bird, obteve a sexta vitória de sua carreira na Fórmula E. Nas voltas finais, Nelsinho Piquet executou uma manobra magistral, ultrapassou Rosenqvist, recuperando assim a quinta posição. Abt aproveitou e também passou facilmente por Rosenqvist. O piloto da Mahindra apresentou problemas com a bateria que estava acabando e, por isso, caiu para a oitava colocação. Já Maro Engel fez uma excelente corrida e terminou em quarto lugar. Mas, ao final da corrida, Engel recebeu uma penalização por uso de energia em excesso (acima de 180Kw), o que jogou o alemão para o 14º.

Tal acontecimento promoveu Piquet Jr ao quarto lugar à frente de Abt e da Costa, enquanto Rosenqvist conquistou a sétima posição. Mortara, Alex Lynn e Prost completaram o top-10.

O resultado significa que a Bird lidera o campeonato de pilotos pela primeira vez em sua carreira, enquanto a DS Virgin Racing lidera a classificação da equipe com 27 pontos.


hong-konghongkongcircuit

Etapa 02 | 03 / 12 / 2017 | Hong Kong (China)

HONG KONG CENTRAL HARBOURFRONT CIRCUIT | Extensão: 1860 m

Análise da Corrida: 

 


moroccan-flagmarrakeshcircuit

Etapa 03 | 13 / 01 / 2018 | Marrakesh (Marrocos)

Circuit International Automobile Moulay El Hassan |  Extensão: 2970m

Análise da Corrida:

A corrida em Marraquexe, no Marrocos, foi fenomenal! A neblina da manhã sumiu, mas a temperatura seguia baixa: 14 graus. Logo no começo, chegou a notícia de que a equipe NIO (antiga NEXTEV) teve problemas justamente no carro de Turvey. Ele teve de largar dos boxes.

Na largada, Buemi mantém a posição. O brasileiro Nelsinho Piquet perde posições para Daniel Abt e Mitch Evans. Lucas di Grassi já larga partindo para o ataque em cima do argentino José Maria López.
Nelsinho Piquet que havia caído para nono, começa a se recuperar e ultrapassa Evans. Danilel Abt tromba com Lynn e o joga para fora da pista. Com essa confusão, Nelsinho pula pra sexto. Mais à frente, Lucas faz bela ultrapassagem sobre Lopez. Nelsinho aproveita o embalo e ultrapassa numa manobra incrível o Lopez, o ultrapassando por fora numa curva bem apertada. A Audi de Abt também mergulha e faz a ultrapassagem em cima de “Pechito” López.
Buemi, Bird e Rosenqvist são os três primeiros. Um pouco mais atrás, Lucas é quarto, com Nelsinho em quinto e Abt o sexto. No momento em que Nelsinho Piquet e Lucas di Grassi começavam a apertar Lucas di Grassi na disputa pelo quarto lugar, ocorre novamente o problema de bateria no carro do atual campeão da Fórmula E. O carro de Lucas tem problema de energia e perde rendimento na volta 8. Assim como em Hong Kong, Lucas fica pelo caminho. O carro dele ficou parado na pista. Com muito custo, após tomar uma volta, ele faz o carro andar lentamente e se arrasta até a garagem da Audi para assim abandonar. Com cerca de 10 voltas de corrida, nem valeria a pena trocar de carro uma vez que o segundo carro não chegaria até o final. Daniel Abt usou a força de sua Audi e ultrapassou Nelsinho Piquet. Contudo, Abt foi punido por bater no Lynn no início da corrida e recebe um drive trough. A corrida, em termos de pontos, acabou para Daniel.
O inglês Turvey que largou dos boxes, fazia uma bela corrida e fazendo muitas ultrapassagens. Turvey já estava em décimo. López se recupera e ultrapassa Nelsinho. O sueco Rosenqvist ultrapassa Bird e começa a atacar Buemi.
Com a punição de Abt, Turvey subiu pro nono. As paradas nos boxes para troca de carros começam. Um bandeira amarela (sem carro de segurança) é acionada em função de problema com Lotterer. Assim, o restante dos pilotos aproveitam e também fazem a troca de carros. O portuga Felix da Costa recebe uma punição: ele terá 5 segundos acrescidos ao seu tempo, ao final da corrida, em função de gesto obsceno que ele fez para Heidfeld durante uma disputa na prova.
Buemi segue na frente com Rosenqvist e Bird os seguindo de perto. A Jaguar Racing trabalhou muito bem nos boxes e Nelsinho recupera a posição de “Pechito” López. Após as paradas nos boxes, Vergne que fazia uma bela corrida, ultrapassa López e voa pra cima de Nelsinho. É uma briga pela quarta posição.
Na luta pela vitória, Rosenqvist aperta Buemi. Maro Engel faz uma bela prova de recuperação e está em sétimo tomando pressão de Heidfeld. Lá atrás, Prost fez uma bela ultrapassagem em cima de Lynn. Ao menos, isso serviu de consolo ao filho do tetracampeão que, sinceramente, não anda bem, mesmo tendo um baita carro em suas mãos.
Na volta 29, o momento crucial da corrida: Rosenqvist ultrapassa Buemi. Buemi deu mole e abriu a porta demais. Além disso, o suíço não usou o recurso do fanboost. Ao final da prova, o suíço revelou que o botão do fanboost não funcionou. As duas Venturi trombam com Heidfeld. Moratara foi quem se deu mal. Ele errou na manobra e criou a trombada tripla. Mortara acabou tendo o carro avariado e abandonou.
No final, Nelsinho faz a volta mais rápida, grudando em Bird, mas não deu. O brasileiro ficou em quarto.
Ao final, Rosenqvist ganha e Buemi em segundo. O atual campeão da Fórmula E, Lucas di Grassi, saiu zerado novamente. O brasileiro terá que começar a se recuperar.

chile-flag

Etapa 04 | 03 / 02 / 2018  | Santiago (Chile)

CIRCUITO A SER ANUNCIADO |  Extensão: 1,53 milhas

Análise da Corrida: 

Desde 1950 que não havia uma corrida no Chile. A Fórmula E trouxe essa alegria de novo ao apaixonado povo chileno. E, que corrida!  A pista tinha buraco, ondulação e muitas trepidações. Além disso, as equipes estavam muito preocupadas com consumo de energia. Afinal, pista difícil composta por parte de cimento e parte de asfalto. E, o pior: temperatura elevada, 30°, com sensação térmica de 40° na pista. Ou seja, ingredientes para o Chile presenciar uma grande corrida! E, foi isso que aconteceu!

A corrida de Santiago começou pegando fogo! Na largada, Nelsinho Piquet pulou de quinto para segundo lugar. O argentino “Pechito” Lopez acabou levando uma trombada de um carro da Virgin e tocou no muro. Fim de prova para o argentino. E, teve ainda mais confusões na primeira volta. Heidfeld também sofreu toque e precisou ir aos boxes, comprometendo sua corrida. Outro que encontrou o muro foi Maro Engel da Venturi, ficando fora da prova.

Outros pilotos tiraram proveito dessa largada complicada: Lucas di Grassi, Mitch Evans e Rosenqvist. Ronseqvist pulou de 14 para 11º. Evans saiu de último para 12º. O brasileiro Lucas di Grassi teve um início agressivo e pulou de 13º para 9º. Tudo isso em uma volta.

Por conta das batidas de Engel e Pechito, a bandeira amarela foi acionada com entrada do safety car. Os pilotos tinham que entrara pelo pelo pit lane para que a pista fosse limpa. Tal cenário foi bom para as equipes poderem economizar energia e sustentar as baterias. Ou seja, as equipes iam tentar segurar um pouco de tempo a mais na pista antes da troca de carro para que no final os pilotos não sofressem com falta de energia.

Na relargada, Nelsinho Piquet tentou ultrapassar Vergne, mas não conseguiu e quase foi ultrapassado pela Techeetah de Lotterer. O brasileiro ficou encaixotado entre as duas Techeetah. Lucas ficou em briga violenta com Turvey da NIO. Buemi estava, a essa altura, suando pra segurar  Bird e Lynn.  Na volta 12, Lucas ultrapassa Turvey em uma bela manobra. Na volta 15, Lucas segue sua excelente corrida de recuperação e ultrapassa Prost. E, rapidamente, Lucas colou nas duas Virgin e, consequentemente, até no Buemi. Na volta 21, Lotterer mostra a força da Techeetha e recuperou a segunda posição ao ultrapassar Nelsinho. Na mesma volta 21, Lucas protagonizou um outro momento de emoção ao realizar faz uma baita ultrapassagem em Lynn! O atual campeão trabalhou muito bem no final de semana e vinha dando show na corrida. O companheiro de Lucas, no entanto, já havia apresentado problemas e abandonado. O medo voltou a aterrorizar a Audi.

O grande momento chegou: a primeira troca de carros na Fórmula E sem tempo mínimo. Mas, de um modo geral, não houve grandes mudanças de posições. Bird e Da Costa ficaram uma a volta a mais na pista que os cinco primeiros colocados até então. Porém, tal tática não surtiu muito efeito.

Luca di Grassi já estava em sétimo e algo terrível aconteceu: ele quebra de novo após todo esforço! Novamente a bateria parou. Que fase! Irritado o brasileiro nem quis conversa com a imprensa quando chegou aos boxes após abandono.

As duas Techeetah seguem na dobradinha e em uma briga feroz. A equipe não deu ordem para Lotterer não atacar Vergne. Então, Lotterer fez de tudo para ultrapassar o francês. Nelsinho segura as pontas recebendo pressão de Buemi. Mas, não resistiu e foi ultrapassado.

Faltando cerca de voltas para o final, Buemi encostou na dupla de Techeetah. Nelsinho veio no embalo e, infelizmente, cometeu um erro. O brasileiro tentou ultrapassar Buemi no final da reta. Experiente, Buemi segurou o ritmo por ter a preferência na fread próxima à curva que se aproximava. Ou seja, Buemi armou para dar o X no brasileiro. Mas, Nelsinho acabou ficando sem espaço diante da velocidade de sua manobra e passou retor. Acabou sendo ultrapassado por mais dois pilotos: Rosenqvist e Bird.

Na dianteira, Lotterer chegou a literalmente encaixar em Vergne em uma tentativa de ultrapassagem. Com essa briga toda, os carros que vinham em 3º. 4º e 5º lugares também se aproximaram (Buemi, Rosenqvist e Bird). As últimas quatro voltas foram muito tensas com os cinco primeiros colocados tentando ganhar as posições. Final maravilhoso. Na bandeirada, Bird, que havia acabado de fazer a volta mais rápida, ficou sem energia e por pouco não foi ultrapassado por Nelsinho. O brasileiro chegou em sexto lugar. Mitch Evans, companheiro de Nelsinho na Jaguar, largou em último e chegou em sétimo. Excelente corrida de recuperação.

Mas, o grande fato é: Vergne ganha e assume a liderança do campeonato. E, três carros com powertrain Renault fecharam o pódio dessa corrida fantástica que foi o EPRIX de Santiago.


mexico-flag-large20152016mexicocircuit

Etapa 05 | 03 / 03 / 2018 | Cidade do México (México)

CIRCUITO HERMANOS RODRIGUEZ |  Extensão: 2092 m

Análise da Corrida:

 

Após um grande desempenho no treino classificatório, o Felix Rosenqvist da Mahindra Racing, entrou no E-Prix do México como pole-position. Oliver Turvey (NIO Formula E) e Sebastien Buemi (Renault e.dams) largaram na P2 e P3 se beneficiando da punição que fez com que Antonio Felix da Costa (MS & AD Andretti) largasse em quarto. O português foi punido porque seu carro estava abaixo do peso durante a batalha da Super Pole. O brasileiro Nelsinho Piquet largava em sétimo. No entanto, havia muitos olhares voltados para o fim do pelotão: devido a penalidades e problemas na qualificação, Edoardo Mortara (Venturi Formula E), Sam Bird (DS Virgin Racing) e o atual campeão Lucas di Grassi (Audi Sport ABT Schaeffler) largavam em 18º, 19º e 20º, respectivamente.

Quando as luzes se apagaram, Rosenqvist conduziu o carro com maestria, seguido de perto por Turvey e Buemi. Daniel Abt, piloto da Audi Sport ABT Schaeffler, conseguiu ultrapassar da Costa alcançando a quarta posição, enquanto o alemão Maro Engel (Venturi) perdeu seu traçado e de repente encontrou-se na parte de trás da grid, lutando contra o Bird e Tom Blomqvist. Nelsinho manteve sua sétima colocação com sua Jaguar.

Na terceiro volta, Mitch Evans (Panasonic Jaguar Racing) ultrapassou Andre Lotterer (TECHEETAH) e foi para a P8. Perdendo rendimento, Antônio Félix da Costa perdeu algumas posições caindo para a P7. Nelsinho avançou para a sexta colocação. Mais à frente, Abt estava começando a pressionar Buemi. Porém, o alemão também sofria uma pressão terrível de Vergne. À essa altura, Nelsinho começou a se aproximar de Vergne.

O dia de Rosenqvist de repente ficou muito triste. Ele tinha uma grande vantagem em cima do surpreende Turvey quando sua Mahindra mostrou uma súbita perda de energia fazendo com que sei carro parasse no meio da pista. Assim, Turvey assumiu a liderança à frente de Buemi e Abt, que estava desesperadamente tentando ultrapassar o suíço da e.Dams Renault. No entanto, as chances de Abt ultrapassar Buemi foram interrompidas em duas ocasiões quando Rosenqvist causou bandeiras amarelas tentando reiniciar seu carro na área de saída. Por fim, o sueco da Mahindra decidiu ir para os boxes trocar de carro. Mas, isso de nada ia adiantar para Rosenqvist. Ele já estava uma volta atrás e o segundo carro não teria energia suficiente para terminar a corrida. Dia terrível para Rosenqvist! O alemão Daniel Abt aproveitou um erro de Buemi no final da volta 20 e assumiu a segunda posição, enquanto o seu companheiro Lucas di Grassi superou Jerome d’Ambrosio (Dragon Racing) para assumir a 13ª posição.

Na volta 24,  os pilotos começaram a troca de carros e que seria um momento decisivo na corrida entre o até então  líder Turvey e Daniel Abt.  Turvey e Abt ainda seguraram uma volta a mais na pista em relação a outros pilotos. Mais ainda teve gente que parou um poquinho mais tarde na volta 27: os brasileiros Nelsinho Piquet (Panasonic Jaguar Racing) e Lucas di Grassi deram uma volta extra. E hoje foi a primeira vez que a troca de carros sem a exigência do tempo mínimo influenciou de fato no resultado d corrida: Abt ultrapassou Turvey nos boxes e assumiu a liderança. Com um carro bem superior, o alemao da Audi abriu uma diferença surpreendente de quase quatro segundos. O francês Vergne perdeu seu terceiro lugar para Buemi na volta de número 28º, já que o suíço usou seu FanBoost para superar o piloto da Techeetah. Nelsinho Piquet retornou atrás de seu companheiro de equipe, Evans, após a troca de carros. O brasileiro, no entanto, logo o ultrapassou e foi pra cima de Vergne.

E o dia da Mahindra Racing tornou-se ainda pior: Nick Heidfeld estava com os mesmos problemas que Rosenqvist sofreu anteriormente. Ambos os pilotos finalmente abandonaram a corrida, tornando-se a primeira corrida sem pontos para a equipe indiana. Problemas também apareceram para Lotterer (Techeetah) pois quando ele saiu dos boxes, acidentalmente,  feriu um de seus mecânicas. O que aconteceu? Punição! Drive troughpor direção insegura.

Di Grassi sofreu uma pequena colisão com Jose-Maria Lopez (Dragon Racing) o que lhe custou um valioso tempo. Mas, com a faca nos dentes, o brasileiro voltou pra pista e ultrapassou d’Ambrosio com a ajuda do FanBoost. Nicolas Prost (Renault e.Dams) não teve tanta sorte e a sua corrida acabou em função de contato com Bird. Além disso, Prost reclamou que estava tendo problemas desde os treinos livres. À essa altura, Nelsinho já havia superado Vergne e partido pra cima de Turvey e Buemi.

Lucas, apesar de ter até sofrido uma penalização (drive trough), seguia muito rápido. O brasileiro cravou a melhor volta da prova e adentrou a zona de pontuação. Ou seja, a Audi mostra que rápido seu carro é. Enquanto isso, Turvey, Buemi e Nelsinho batalharam ferozmente. Mas, eles se mantiveram nas 2ª, 3ª e 4ª posições respectivamente.

No final, Abt conseguiu transformar sua forte performance em uma bem merecida vitória chegando com muita vantagem em relação ao piloto da NIO, Oliver Turvey. Aliás, o britânico foi o grande destaque da prova e marcou seu primeiro pódio na Fórmula E com um carro nitidamente inferior aos demais. Além da vitória de Abt, a Audi teve mais razões para celebrar: Lucas di Grassi também terminou a corrida e conquistou dois pontos ao terminar na nona posição; E, mais: Lucas conquistou um ponto extra por marcar a volta mais rápida na corrida.

Após o E-Prix do México, Vergne segue liderando o campeonato à frente de Rosenqvist e Bird, que não foram capazes de coletar nenhum ponto no dia de hoje.  Agora é aguardar Punta Del Este!

 


Etapa 06 | 17 / 03 / 2018 | Punta del Este (Uruguai)

CIRCUITO Punta del Este |  Extensão: 2785 m

Análise da Corrida: 

 

Jean-Eric Vergne resistiu aos ataques de Lucas di Grassi durante todo o E-Prix de Punta del Este para conquistar sua terceira vitória do Campeonato da Fórmula E neste sábado à tarde.

Vergne abriu uma vantagem de 30 pontos no campeonato uma vez que o francês , além de ganhar, conseguiu os três pontos da pole position em função das muitas penalidades aplicadas na qualificação.

O piloto da Techeetah cruzou a linha de chegada apenas 0,4 segundos à frente de Lucas di Grassi, que tentou desesperadamente encontrar um espaço para ultrapassar o francês nas últimas voltas, gerando vários contatos entre os dois.

Vergne liderou a primeira fase da corrida, mas di Grassi nunca esteve a mais de um segundo de distância do francês. Lucas di Grassi aplicou uma pressão significativa à medida que as paradas de boxes se aproximavam, mas ainda não conseguia superar Vergne. A dupla retornou à corrida depois dos pits super colados e Lucas di Grassi viu uma oportunidade logo na primeira volta após a troca de carros, mas foi fortemente fechado por Vergne. Tal movimento fez com que o piloto da Audi perdesse quase dois segundos. Di Grassi, porém, logo respondeu e voltou a encostar em Vergne para começar outra luta de gato e rato pelo restante da corrida.

A batalha se intensificou nas dez voltas finais, mas foi acompanhada pelo carro DS Virgin, pilotado por Sam Bird. O piloto britânico saiu da nona posição após uma difícil fase de qualificação. O britânico, no entanto, não teve chance de desafiar Vergne e Lucas, pois seu carro apresentou problemas no gerenciamento de energia na última volta e teve que se contentar com o terceiro lugar no pódio.

Mitch Evans foi um dos grandes nomes da corrida e levou a Jaguar a mais um quarto lugar. Após a punição que o fez cair das primeiras posições para a 16ª na largada, Evans fez uma fantástica prova de recuperação e cruzou a linha de chegada em quarto lugar. Evans, aliás, fez uma excelente ultrapassagem sobre Felix Rosenqvist da Mahindra. Além disso, o piloto da Panasonic Jaguar Racing executou outra ousada ultrapassagem sobre Alex Lynn por fora na curva 13. Lynn, então, acabou sendo ultrapassado por Felix Rosenqvist da Mahindra Racing. Lynn acabou a prova em sexto, enquanto Rosenqvist ficou com a quinta posição que o ajudou a consolidar sua segunda posição na classificação de pilotos.

Oliver Turvey inicialmente a corrida em quarto com a NIO. Aliás, mais uma vez, Turvey mostra seu valor ao fazer milagre com um carro fraco. Mas, desta vez, após a troca de carros, Turveu perdeu muitas posições e chegou em sétimo.

José Maria Lopez foi outro bom destaque uma vez que largou em 18º e chegou em oitavo. O argentino também marcou a volta mais rápida da corrida. Lopez chegou na frente de seu companheiro de equipe, Jerome d’Ambrosio. Maro Engel chegou em décimo e conquistou um ponto para a Venturi.

O vencedor das duas edições anteriores em Punta del Este, Sebastien Buemi, saiu da disputa na volta de número 11, quando acertou o muro e danificou a suspensão traseira, fazendo com que ele antecipasse a troca de carros. Obviamente, o segundo carro não conseguiu completar a prova.

Nick Heidfeld continuou sua série de maus resultados na Mahindra. Ele causou a entrada do único período de carro de segurança na corrida depois de parar na pista logo na parte inicial da prova.

Outros pilotos enfrentaram problemas na prova. A corrida de Daniel Abt foi estragada quando ele retornou da troca de carros e precisou retornar aos boxes pois seus cintos de segurança não estavam corretamente afivelados. Já Edoardo Mortara e Nelsinho Piquet abandonaram a disputa após problemas técnicos.

 


Etapa 07 | 14 / 04 / 2018 | Roma (Itália)

CIRCUITO CITTADINO DELL’EUR

Extensão: 2840 m

Análise da Corrida: 

Sam Bird conquistou sua segunda vitória na temporada da ABB FIA Fórmula E em Roma neste sábado após Felix Rosenqvist abandonar a prova. O piloto da DS Virgin Racing assumiu a liderança na 23ª volta depois de correr atrás do Rosenqvist da Mahindra Racing boa parte da corrida. O sueco se retirou da prova após ter uma roda traseira esquerda quebrada.

É a segunda vitória de Bird na temporada. O inglês venceu a corrida de abertura em Hong Kong no mês de dezembro de 2017. O resultado de hoje coloca Bird no segundo lugar na classificação dos pilotos.

A primeira parte da corrida foi mais cautelosa por parte dos pilotos uma vez que a pista era travada e traiçoeira. Deste modo, muitos pilotos adotaram uma postura mais conservadora. Lucas di Grassi mesmo foi um deles e até caiu para a oitava posição. Destaque para o início de prova de Turvey que pulou para quinto ultrapassando até mesmo Buemi. Da Costa e Lopez também vinham numa frenética corrida de recuperação já ganhando muitas posições.

O brasileiro Nelsinho Piquet largou na P13 e acabou enfrentando muitas batalhas no pelotão intermediário. De fato, numa pista difícil como a de Roma, largar atrás é complicado. Nelsinho precisa urgentemente voltar a se classificar melhor nos treinos decisivos. Para piorar, ainda na primeira parte da corrida, o brazuca cometeu um erro numa curva. Assim, ele chegou a tocar de leve o muro e acabou perdendo posições para Lopez, Lucca Filipi, Heidfeld e Mortara. O piloto da Panasonic Jaguar Racing acabou despencando para 17º. No entanto, esses pilotos que ultrapassaram Nelsinho acabaram se envolvendo num engavetamento com Turvey que havia perdido rendimento. Assim, Nelsinho antes da troca de carros acabou assumindo o 12º lugar. Mas, de nada adiantou! Nos boxes, houve um erro no processo de travamento do cinto de segurança do brasileiro.  Nelsinho retornou para a pista apenas  duas voltas depois. Por fim, Nelsinho retornou aos boxes e abandonou. Mais uma péssima corrida para o brasileiro.

Após a troca de carros, Buemi retornou na frente de Evans. Lucas di Grassi fez um excelente pit e retornou em quinto logo atrás de Evans. Houve um momento decisivo: o abandono de Rosenqvist. Bird assumiu a ponta na volta 23 e passou a receber fortes ataques de Evans que havia ultrapassado Buemi. Lucas já era o quarto e ultrapassou Buemi, assumindo então a terceira posição. Deste modo, Lucas partiu pra cima de Bird e Evans. Evans não conseguiu superar Bird e teve que lidar com os ataques de Lucas e Lotterer (que também chegou para a batalha). Isso deu ao britânico Sam Bird uma pista um pouco mais livre durante as duas últimas voltas, enquanto Lucas di Grassi, Evans e Andre Lotterer lutaram pelas últimas posições no pódio.

Evans acabou terminando em nono depois de ficar sem energia, impedindo a Jaguar de obter seu primeiro pódio. Numa cena frustrante, Evans cruzou a linha de chegada se arrastando.

Di Grassi cruzou a linha somente a 0.970 segundos atrás de Bird enquanto Lotterer completou o pódio para a Techeetah. No entanto, o piloto brasileiro da Audi Sport ABT Schaeffler está sob investigação em função de uma possível infração no pit stop.

Vale ressaltar que houve duas bandeiras amarelas virtuais na corrida corrida: uma para retitar o carro de Rosenqvist e a outra por conta de Alex Lynn. O piloto inglês ficou preso na área de escape. Este foi um sábado terrível para Lynn que teve vários incidentes (inclusive nos treinos livres).

A próxima etapa será no dia 28 de abril em Paris.

 

 


french-flagweb

Etapa 08 | 28 / 04 / 2018 | Paris (França)

CIRCUIT DES INVALIDES |  Extensão: 1930 m

Análise da Corrida:

Jean-Eric Vergne ampliou sua liderança no Campeonato de para 31 pontos com a vitória em Paris. O parisiense conquistou sua terceira vitória na temporada de ponta a ponta, enquanto Lucas di Grassi arrebatou o segundo lugar para o Audi Sport ABT Schaeffler no final da prova.

 

Desde o início, Vergne consolidou sua pole position, enquanto Bird precisava ser agressivo para segurar um Lotterer que estava disposto brigar por algo mais na corrida. O trio então se estabeleceu em uma clara vantagem sobre o bando perseguidor com a ordem mantendo-se através das paradas nos boxes.

No entanto, a parada de Vergne foi cerca de um segundo mais rápida que a de Bird, permitindo que o piloto da Techeetah abrisse mais vantagem na pista. Com todos os três pilotos na mesma estratégia de energia, Vergne conseguiu se afastar sem ter um desafio direto com seus rivais.

Já Di Grassi e Buemi completaram uma volta extra antes de trocar de carros, significando que eles tinham um pouco mais de energia durante a segunda parte da prova. Lucas ainda se deu muito bem na troca de carros. A estartégia de economizar e ficar uma volta a mais na pista funcionou e o brasileiro ganhou a posição de Engel. Então, Lucas começou a perseguir os três primeiros com Lotterer sendo seu primeiro alvo. Buemi não conseguiu ultrapassar Engel nos boxes. O piloto da Venturi brilhantemente segurou o suíço da e.Dams Renault.

Vergne  cruzou a linha de chegada 4.882 segundos à frente de Di Grassi, que se beneficiou do contato entre Andre Lotterer, da Techeetah, e Sam Bird, da DS Virgin Racing, na curva final.

Lotterer, que estava segurando Lucas di Grassi, diminuiu a velocidade pouco antes da bandeira quadriculada com sua energia ficando fraca. Bird, em seguida, voou para ultrapassar Lotterer e acabou atingindo a traseira do carro da Techeetah. Mas, Bird foi capaz de cruzar a linha em terceiro com a roda dianteira direita do seu carro severamente danificada. Lotterer, entretanto, só conseguiu salvar o sexto lugar em um  final de prova frustrante para ele. Ao final da prova, tanto Lucas quanto Bird reclamaram muito do comportamento de Lotterer na briga pelas posições.

A confusão na última volta permitiu a Maro Engel conseguir um excelente quarto lugar para a Venturi. O suiço Sebastien Buemi completou a prova em quinto. O companheiro de Lucas, Daniel Abt, terminou em sétimo, após uma impressionante recuperação. Afinal, ABT largara em 15º!.

Felix Rosenqvist foi oitavo colocado, após lutar muito com sua Mahindra Racing, terminando à frente de Oliver Turvey, da NIO. Jose Maria Lopez (Dragon Racing) completou o top-10. Nelsinho largou no final do pelotão. O primeiro campeão mundial da Fórmula E chegou a estar em 14º. Mas, pouco tempo depois, após a troca de carros, o brasileiro da Jaguar Racing abandonou.

 


germany-flag

Etapa 09 | 19 / 05 / 2018 | Berlim (Alemanha)

KARL MARX ALEE CIRCUIT |  Extensão: 2030 m

Análise da Corrida:

O alemão Daniel Abt obteve uma vitória dominante no E-Prix de Berlim com a equipe Audi Sport ABT Schaeffler. Aliás, a equipe alemão conquistou uma dobradinha em casa com o segundo lugar de Lucas di Grassi.

Di Grassi, na primeira metade da corrida fez grandes ultrapassagens sobre D’Ambrósio, Vergne e Turvey e ainda resistiu bem aos ataques de Buemi. Após a troca de carros, Lucas colou em Abt uma vez que a troca do alemão foi demorada. No entanto, Abt surpreendeu e continuou seu show! O alemão não deu chances para o brasileiro e disparou impulsionado pela torcida alemã que fez uma linda festa em Berlim. Abt cruzou a linha de chegada cerca de 6.758 segundos à frente de Lucas.

O resultado deste sábado marcou a segunda vitória de Abt na Fórmula E. A dobradinha alçou a Audi ao segundo lugar do Mundial de Construtores, o que comprova, que se não fossem os problemas do início da temporada, Lucas e Abt poderiam estar lutando pelo título.

Vergne fez uma grande manobra, na curva 6, já na parte final da prova e superou o rival Sebastien Buemi. Os dois já tinham ultrapassado o piloto da NIO Oliver Turvey na 34ª volta.

Buemi manteve a quarta posição, à frente de Turvey, enquanto Mitch Evans terminou em sexto para a Panasonic Jaguar Racing.

O líder do campeonato, Jean-Eric Vergne, aumentou ainda mais sua vantagem com terceiro lugar para a Techeetah. O discreto desempenho de Bird complicou bem o cenário para o britânico. Sam Bird perdeu mais pontos para Vergne no campeonato ao terminar em sétimo. Bird chegou em Berlim com 31 pontos de diferença para o piloto da Techeetah, mas agora tem uma diferença de 40 pontos para descontar faltando apenas três corridas para o final da temporada.

Rosenqvist, após grande erro na largada, ficou a corrida toda batalhando entre o 11º e o 15º lugar. Ao final, o sueco terminou em 11º, fora da zona de pontuação e atrás de seu companheiro Nick Heidfeld.

Outra vez, o brasileiro Nelsinho Piquet teve uma corrida complicada. Na primeira parte da corrida, o brasileiro teve participação discreta e oscilou entre 13º e 15º lugar. Porém, após a troca de carros, Nelsinho partiu para o ataque e subiu da 14º para a 10º posição, tendo ultrapassado Dillmann e as duas Mahindra, por exemplo. Mas, nas últimas voltas tentou um ataque para cima de Lopez. O brasileiro errou no final da reta e acabou retornando para a 14ª posição. Logo depois, o próprio argentino Jose Maria Lopez rodou e caiu para o fim do pelotão. Nelsinho, então, passou para 13º e, por fim, tornou a ultrapassar Dillmann na volta final e terminou em 12º sem marcar pontos. E, de quebra teve de ver outro bom resultado de Evans. Agora, o neozelandês ultrapassou Nelsinho na tabela de pontuação.

 


 

Etapa 10 | 10 / 06 / 2018 | Zurich (Suiça)

CIRCUITO A SER ANUNCIADO |  Extensão: 0 m

Análise da Corrida:

Lucas di Grassi conquistou sua primeira vitória na quarta da Fórmula E dando verdadeiro show na corrida de Zurique. Foi um momento histórico! Afinal, Lucas conseguiu uma vitória sensacional em uma corrida histórica em um país que não tinha uma corrida a mais de 60 anos. O piloto da Audi Sport ABT Schaeffler largou em quinto no grid e fez grandes ataques e ultrapassagens até conseguir a liderança na primeira fase da corrida (antes da troca de carros). Lucas, então, disparou confiante até a bandeira quadriculada por uns confortáveis ​​7,542 segundos.

Jerome d’Ambrosio, da Dragon, foi o terceiro colocado ao se aproveitar das penalidades dadas aos seus rivais.

Mitch Evans manteve a liderança no início da corrida, mas logo foi atacado pelo carro de Andre Lotterer da Techeetah. Por conta disso, D’Ambrósio, Sam Bird, Lucas e Buemi também encostaram nos dois primeiros colocados.

Lotterer teve de segurar o ímpeto de Lucas di Grassi que já havia despachado de modo brilhante d’Ambrosio e Sam Bird e ocupando o terceiro lugar na prova. Mas, não adiantou. Lucas estava determinado a vencer e fez uma ultrapassagem limpa sobre seu antigo companheiro de equipe Audi LMP1. colocou após Evans à frente das paradas obrigatórias e fez outro passe limpo na virada 1 para roubar a liderança.

Vergne, fez grandes progressos na primeira fase da corrida. O francês largou na 17ª posição e já se encontrava em oitavo antes da troca de carros. A partir daí começou um desenrolar de fatos que iria criar muitas alterações na corrida. Vergne da ultrapassou Nicolas Prost antes de mergulhar, por dentro, e e ultrapassar a Mahindra de Felix Rosenqvist. Rosenqvist resistiu e houve um contato que fez com que o sueco tocasse o muro na curva 1. O piloto da Mahindra conseguiu retornar para a prova. Mas, por ironia do destino, atingiu a asa dianteira de Rosenqvist duas voltas mais tarde, o que desencadeou uma bandeira amarela (Full Course Yellow).

Os pilotos resolveram aproveitar a bandeira amarela e, assim, pararam para trocar de carros duas voltas antes do esperado. Já nos boxes, Vergne perdeu tempo e posições uma vez que seu segundo carro não conseguiu iniciar. Tudo que ele tinha feito foi por água abaixo e o francês caiu para a nona posição.

Após a troca de carros, Evans, Buemi e Lopez retornaram e estranhamente reduziram a vantagem que Lucas di Grassi tinha aberto de modo soberano antes das paradas. Vergne já retornou voando baixo e fez várias voltas mais rápidas e conseguiu ultrapassar Prost e já tacava de Ambrosio e Lopez, ambos da Dragon Racing. Porém, o progresso de Vergne foi interrompido quando ele, junto com Buemi, Lopez e Evans, receberam um drive-through por excesso de velocidade durante a Full Course Yellow. Esse fato explicava então como Buemi, Lopez e Evans teriam diminuído a distância para Lucas di Grassi.

Estas punições derrubaram Vergne novamente. Buemi, Lopez e Evans também perderam a chance de lutar pela vitória por conta da punição. Lucas, assim, rumou facilmente para a vitória. Bird, nessa confusão toda herdou a segunda posição, o que desesperava Vergne. Afinal, a vantagem grande que ele tinha sobre o britânico estava sumindo. Assim sendo, o francês, em 11º, colou em Turvey na luta pela décima posição. Aliás, o inglês da NIO largou em último e fez uma excelente corrida de recuperação.

Lotterer fez a volta mais rápida da prova, terminando na quarta posição. Detalhe que Lotterer roubou o ponto da volta mais rápida de Vergne! Fogo amigo dentro da Techeetah!

Sebastien Buemi terminou a corrida na sua casa em quinto após realizar uma linda ultrapassagem sobre Mitch Evans que foi o sexo. Nick Heidfeld foi o sétimo, enquanto Antonio Felix da Costa garantiu o oitavo lugar para Andretti. Lopez cometeu um erro (para variar) no final. Assim sendo, Oliver Turvey conseguiu a nona posição e Vergne, ao menos, conseguiu marcar um pontinho.

Toda essa situação assegurou um segundo lugar para Sam Bird. Vergne acabou terminando em décimo e com isso marcou apenas um ponto. A vantagem de Vergne caiu de 40 para 23 faltando apenas duas provas para terminar a temporada. Ou seja, a decisão do campeonato será somente na rodada dupla de Nova Iorque.

Destaque negativo da corrida foi o incidente entre Daniel Abt e Nelson Piquet Jr. no início da prova. Os dois pilotos viram suas corridas comprometidas após um incidente na primeira volta, na chicane, quando Piquet subiu na traseira do Audi depois que Abt ter perdido velocidade por ter atacado demais a zebra. Ambos tiveram os carros danificados e receberam a bandeira preta e laranja. Abt teve de ir aos boxes para trocar a asa traseira e  Nelsinho Piquet precisou corrigir danos na asa dianteira. O brasileiro, em especial, teve rendimento ruim após retorno dos boxes e, por isso, efetuou a troca de carros mais cedo que os demais. Na 20ª volta, Nelsinho decidiu abandonar a prova.

 

 


united-states-flag 

Etapa 11 | 14 / 07 / 2018 | Nova York (EUA)

BROOKLIN CIRCUIT |  Extensão: 1947 m

Análise da Corrida: 

Lucas Di Grassi venceu o Eprix de Nova Iorque, a primeira da rodada dupla. Como isso, a Audi fez a dobradinha na corrida de sábado. Mas, o grande campeão da quarta temporada é o Jean – Eric Vergne da equipe da Techeeetah. Esta é a primeira vez em que o campeão já é conhecido antecipadamente na Fórmula E.

O brasileiro segurou o companheiro de equipe, o Daniel ABT, após ter largado em 11º lugar e feito uma excelente prova de recuperação.

O alemão manteve boa vantagem sobre Buemi após tê-lo ultrapassado. Mas, Lucas fez uma incrível corrida ultrapassando todos os adversários e partiu para o ataque. O brasileiro fez um movimento ousado para cima alemão na 23ª volta. No decorrer da prova, Abt melhorou seu rendimento e atacou Lucas di Grassi. Mas, nitidamente, a equipe Audi ordenou que a disputa parasse. A cara de poucos amigos de Abt era visível após o término da corrida.

Faltando 11 voltas para o final, houve um grave acidente com Alex Lynn. O inglês perdeu o controle de sua DS Virgin DSV-03 e bateu fortemente nas barreiras. Lynn saiu do carro sem ferimentos, apesar de ter frustrado as esperanças de seu companheiro de equipe, Sam Bird, de tentar alcançar Vergne na pista para manter vivas suas esperanças pelo título.

Vergne, que largou no final do pelotão, terminou em quinto no final e garantiu seu primeiro título de pilotos da Fórmula E com uma corrida antes do término da temporada. O Campeonato de Construtores, no entanto, nada está decidido ainda. A Techeetah está apenas 6 pontos na frente da Audi após a dobradinha da equipe alemã.

Buemi completou o pódio em terceiro lugar para Renault e.Dams, seguido de Tom Dillmann, substituindo Edouardo Mortara neste final de semana na Venturi.

Nick Heidfeld, Andre Lotterer, Maro Engel, Bird e Nicolas Prost completaram o top-10.

Mitch Evans, da Panasonic Jaguar Racing, que largou na segunda posição, sofreu uma suspeita de falha no eixo de tração e não conseguiu sair da largada. Já seu companheiro, Nelsinho Piquet, disse em entrevista ao Felipe Mota da Fox Sports, que o problema do carro foi devido a uma falha no software. Uma pena! Nelsinho largou em sexto e chegou a avançar até o terceiro lugar. Acabou perdendo a posição para Lucas di Grassi na pista. Mas, na saída dos boxes, após a troca de carros, Nelsinho ultrapassou Dillmann e voltara em quarto lugar. Mas, o carro da Jaguar parou logo em seguida na pista. O brasileiro ainda reiniciou o carro e foi aos pits. Retornou para a pista, mas depois abandonou de vez faltando cerca de 12 voltas pro final.

O problema também atingiu em cheio a equipe Dragon. Logo na largada, Jerome d’Ambrosio e Jose Maria Lopez se tocaram na Curva 1, resultando em danos nas asas do nariz e na traseira dos carros. O argentino Lopez acabou abandonando mais tarde depois de completar apenas 30 voltas.

 


united-states-flag

Etapa 12 | 15 / 07 / 2018 | Nova York (EUA)

BROOKLIN CIRCUIT |  Extensão: 1947 m

Análise da Corrida:

Jean-Eric Vergne segurou Lucas di Grassi para conseguir a vitória na segunda corrida em Nova Iorque neste domingo (15/7). Mas, a segunda e terceira posições dos pilotos da Audi Sport ABT Schaeffler foi bom o suficiente para que a equipe alemã superasse a Techeetah na disputa do Mundial de Construtores. Na verdade, a Audi teve uma ajudinha com a penalidade aplicada para Andre Lotterer logo no início da prova já que o piloto da Techeetah queimou a largada. Lotterer teve cumprir uma punição de 10 segundos nos boxes e, assim, comprometeu sua corrida.

O recém-coroado campeão de Fórmula E, Vergne, derrotou Di Grassi por apenas 0.508 segundos na linha de chegada após uma batalha acirrada entre os dois. Vergne conseguiu a sua quarta vitória na temporada justamente um dia após conquistar seu primeiro título de pilotos no campeonato totalmente elétrico.

Abt enfrentou Sebastien Buemi nos momentos finais da corrida de 43 voltas. O suíço chegou a ultrapasar Abt quando faltavam 18 voltas para o final. Mas, quatro voltas depois, Buemi errou e acabou perdendo a posição para Abt. Essa ultrapassagem contribui também na conquista do título de construtores por parte da Audi.

Lotterer caiu para 15º depois da punição. O piloto da Techeetah se recuperou e conseguiu terminar em nono, mas não adiantou. Sua equipe perdeu o título para Audi por meros dois pontos. Méritos também para Daniel Abt que conquistou o ponto da melhor volta para a equipe alemã.

O brasileiro Lucas di Grassi conquistiu o segundo lugar no campeonato de pilotos graças a outra corrida discreta de Sam Bird, que chegou apenas em 10º e caiu para terceiro na classificação geral.

Felix Rosenqvist, da Mahindra, chegou em quinto lugar na última corrida dos carros de primeira geração da Fórmula E. O sueco travou bons duelos contra Evans, Heidfeld e Nelsinho Piquet. No final, Nelsinho Piquet ultrapassou Heidfeld e garantiu a sétima colocação. Evans ficou na P6 e Heidfeld na P8.

A corrida presenciou cinco abandonos, em grande parte devido a um acidente de três carros na 7ª volta, desencadeado por Antonio Felix da Costa e Luca Filippi. Jerome d’Ambrosio acabou sendo atingido também.

Pouco antes disso tudo, Jose Maria Lopez parou em pista com os danos da suspensão, o que trouxe a única bandeira amarela da corrida. Da Costa acabou sendo penalizado pelo contato com Filippi.

Assim como os carros da Dragon, os carros Venturi também não conseguiram terminar. Tom Dillmann desistiu em função da falha da caixa de câmbio.  Já Maro Engel teve perda de potência em seu carro. Suzie Wolf e Massa que abram o olho para desenvolver melhor a equipe Venturi na quinta temporada.